domingo, 13 de março de 2016

Revista - Set #133 - Julho 1998

 
Revista - Set #133 - Julho 1998

 
"Godzilla" de Francisco Marcelino - Set, uma revista brasileira que tratava assuntos de cinema (tanto as estreias quanto aos lançamentos em VHS, além de um pouco de fofoca de artista), publicou um artigo em julho de 1998 sobre a estreia então recente de Godzilla de Dean Devlin e Roland Emmerich. O artigo é surpreendentemente cínico, ou talvez não tanto. Depois de uma introdução em que o autor Marcelino elogia os efeitos desse filme acima das encarnações japonesas do Godzilla, ele entra em bastante detalhe sobre as questões financeiras do filme.

Ele cita o orçamento elevando de 135 milhões de dólares e marketing "blitz" que custou em torno de 50 milhões de dólares a mais, um dos maiores trabalhos de marketing para um "blockbuster" de Hollywood. Ele cita o Devlin, quem comentou que o investimento por fabricadores de brinquedo foi tão alto que isso por si só quase bancou o filme inteiro (sabemos que o filme ganhou mais ou menos 136 milhões de dólares nos EUA e Canadá, e 379 milhões de dólares no mundo inteiro).

Depois de um "breakdown" financeiro deste filme (apesar de várias fontes alegarem que o filme foi um fracasso, ele ganhou quase três vezes o valor do seu orçamento na bilheteria mundial), o Marcelino observa que por mais que os efeitos especiais fossem atualizados e realistas, principalmente em comparação com os filmes antigos de Godzilla, o roteiro em si não fez nada para inovar a história de monstros gigantes. O motivo, segundo Marcelino. é que Devlin e Emmerich não estavam interessados em fazer um filme de Godzilla. O filme Godzilla foi nada mais do que um trabalho mercenário para eles, algo que fizeram pelo dinheiro (tanto pelo salário quanto pela oportunidade de trabalhar com um orçamento quase o duplo do de Independence Day). E infelizmente, ele está certo.

Entrevistas com Devlin e Emmerich revelaram que nenhum dos dois eram fãs de Godzilla antes de assumir papel de produtor e diretor, respectivamente. Emmerich falou que até tentou assistir os filmes japoneses para ganhar inspiração, mas desistiu depois de alguns filmes por achar que era a mesma coisa. Devlin até mandou lascar os fãs de Godzilla que expressaram a sua decepção quanto ao produto final.

Embora o filme não representou uma perda financeira para Sony Pictures, a diretoria ia restringir o orçamento de Godzilla 2, o qual o Emmerich e Devlin iam fazer. Isso se devia à reação bastante negativa dos críticos e pessoas em geral a respeito do filme. Emmerich and Devlin não gostavam da ideia de ter limitações impostas neles, então desistiram do projeto e Godzilla 2 caiu em esquecimento.

Este artigo também conta com um "side bar" que tenta resumir o personagem de Godzilla, como nas outras revistas que já comentei.

Uma página que tentou mostrar uma comparação entre o tamanho de Godzilla e outras coisas grandes (King Kong, Cristo Redentor, um tiranossauro, uma girafa, etc.). Infelizmente, quem fez a montagem errou em tudo. O Godzilla americano tinha uma altura de mais ou menos 60 metros. A Estátua de Liberdade tem altura de 46 metros. King Kong, porem, tinha altura de apenas 13 metros, um terço da altura de Cristo Redentor (com base). Ou seja, a figura acima não esclarece NADA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário